Diálogos, Vol. 20, No 2 (2016)

Tamanho da fonte:  Menor  Médio  Maior

Memória e interdição da palavra proibida macaco em regiões de cangaço

Francisco de Freitas Leite, Maria Regina Baracuhy, Edson Soares Martins

Resumo


Este artigo problematiza, sob o ponto de vista teórico da Análise do Discurso francesa, por que, em algumas regiões do Nordeste brasileiro, há quem evite pronunciar a palavra macaco e opte por usar em seu lugar outras palavras, tais como dezessete. A hipótese defendida é a de que essa prática cultural-discursiva, entendida aqui como uma forma de interdição, ocorre basicamente em regiões sertanejas onde a memória do cangaço é ainda marcadamente diluída no cotidiano. A partir da análise de discursos presentes no dia a dia, este artigo pretende contribuir para uma compreensão mais acurada de uma particularidade sociocultural brasileira.



Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0.

ISSN impresso 1415-9945 e ISSN online 2177-2940