Estudante premiado por desenvolver espuma à base de sisal, bagaço de cana e casca de arroz
28 de julho de 2015

O estudante Guilherme Piovezan Otto, bolsista do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação (PIBITI), foi premiado em 1º lugar na categoria Bolsista de Iniciação Tecnológica, do 12º Prêmio Destaque na Iniciação Científica e Tecnológica do CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico), na área de Ciências Exatas, da Terra e Engenharias.

Otto é aluno do curso de engenharia mecânica da Universidade Estadual de Maringá (UEM) e teve a orientação da professora Silvia Luciana Fávaro, do Departamento de Engenharia Mecânica (na foto, com Otto). Ele desenvolveu o estudo Síntese e caracterização de espuma à base de fibras naturais para aplicação em material compósito sanduíche, sob a co-orientação do professor Eduardo Radovanovic, do Departamento de Química.O trabalho foi desenvolvido no Departamento de Engenharia Mecânica, em parceria com o Laboratório de Química de Materiais e Sensores do Departamento de Química.

O estudo premiado propôs a síntese de espumas contendo fibras de sisal, bagaço de cana-de-açúcar e casca de arroz. As espumas foram sintetizadas substituindo por fibras naturais até 20%, em massa, do glicol usado convencionalmente nas espumas de poliuretana. As fibras foram previamente mercerizadas com hidróxido de sódio e peróxido de hidrogênio para retirada de lignina e hemicelulose. Para avaliar a influência da adição desses materiais nas propriedades mecânicas das espumas, utilizou-se um planejamento de misturas do tipo simplex centroide, empregando-se como resposta a resiliência, a força de indentação, a deformação permanente, o teor de cinzas, a densidade, a porosidade e o grau de intumescimento.

As análises mecânicas indicaram obtenção de espumas com excelentes valores de resiliência, módulo elástico e resistência à compressão permanente – valores esses adequados à aplicação da espuma como material absorvedor de impacto. As espumas com melhores resultados foram obtidas pelas formulações contendo apenas casca de arroz e contendo uma mistura de proporção 82/18 (em massa) casca de arroz/bagaço de cana-de-açúcar. Os materiais desenvolvidos possuem características que possibilitam a sua aplicação na fabricação de núcleos em compósitos sanduíches, além de apresentarem potencial para produção de colchões, travesseiros, móveis, isolamentos termoacústicos, bancos de automóveis, entre outros.